Mas se quer saber se quero outra vida…

Era hora de voltar para casa depois de um filme decepcionante. O final dele não era feliz e a gente sempre espera, com grandes expectativas, que o mocinho vá ficar com a mocinha. Não nesta noite.

Entrei no carro, liguei o som e a primeira música que inundou meus ouvidos foi Eu Te Devoro, do Djavan. Fazia séculos que ela estava na minha playlist mas eu nunca deixava ela tocar, ontem eu deixei.

Teus sinais
Me confundem da cabeça aos pés
Mas por dentro eu te devoro
Teu olhar
Não me diz exato quem tu és
Mesmo assim eu te devoro
Te devoraria a qualquer preço
Porque te ignoro ou te conheço
Quando chove ou quando faz frio

As ruas ficaram largas e eu me permiti ter uns segundos de desatenção no trânsito para pensar o que eu estava fazendo com a minha vida. Caçando olhares perdidos para preencher o meu, saindo sem direção alguma procurando algo que me abastecesse. Algo que me mostrasse o caminho certo, ou o caminho que te atingisse em cheio.

solidaomenina

Por quantas bocas a minha boca passou para entender que meu coração precisa caminhar sozinho? E então a música voltou a fazer um pouco mais de sentido.

Tudo o que Deus criou
Pensando em você
Fez a via-láctea
Fez os dinossauros
Sem pensar em nada
Fez a minha vida
E te deu

Eu entendo quando o Djavan entona a música nessa parte, “fez a minha vida e te deu”, como se eu não tivesse escolha, como se fosse um presente sem devoluções. Essa é a minha vida sendo sua e eu a observo de longe querendo que Deus também me desse a sua.

Então me vejo reaprendendo tudo, reaprendendo a caminhar só e a reconquistar um mundo que, agora, só pertence a mim.

Sem contar os dias
Que me faz morrer sem saber de ti
Jogado à solidão
Mas se quer saber
Se eu quero outra vida
Não, não

Quando a música chegou nessa parte, parei o carro e tentei de todas as formas discordar do cantor, afinal, eu quero outra vida. Não essa cheia de solidão, cheia do vazio de saber que nela não tem você. Então, se quer saber se quero outra vida? Sim, eu quero.

Mas a música não tinha terminado e o último estrofe calou meus pensamentos contraditórios. Vi que não dava para discordar mais de nada.

Eu quero mesmo é viver
Pra esperar, esperar
Devorar você

Jamile Ferraz

Jamile Ferraz Jornalista, mas gosta mesmo é de romance barato. Virginiana com vida profissional, mas nunca conseguiu tomar um rumo na vida pessoal. Acredita em destino, mas nem tanto. Apaixonada por livros, cinema e a música é como combustível. Um dia vocês vão ouvir falar de mim.
Anúncios