Será que o amor realmente existe?

Às vezes paro e me pergunto se o amor – aquele idealizado e inspirado nos filmes água com açúcar – realmente existe. Não é ceticismo ou desilusão romântica, acredito que seja somente canseira: de esperar ou acreditar, não consegui definir ainda.

Será que, de fato, existe uma pessoa te procurando, no mesmo momento em que você procura por ela? Aparentemente, uma alma busca por outra que, naquele momento, não está procurando nada com nenhuma outra alma (isso se ela não estiver presa em algum relacionamento passado que se recusa a deixar passar dentro de si) e assim sucessivamente. Será que o amor é que não existe ou são as pessoas que não o deixam acontecer?

Não acredito em momentos errados, a gente conhece quem tem que conhecer no segundo que o encontro acontece. Acredito unicamente que toda e qualquer relação exija disposição e trabalho recíproco para acontecer. Segundos encontros não acontecem ao acaso, é preciso ligações no dia seguinte, demonstrações de afeto e sentimento sincero.

82111giveittimelovephotoloveimageholdinghands

Não sei dizer se é a minha Vênus em Virgem ou o tempo que me endureceu, mas não consigo visualizar a cena de ser pedida em casamento. Não visualizo a cena de, em um domingo de manhã, preparar – ou receber – um café da manhã na cama para alguém.

Deixo as portas abertas para quem quiser se aproximar e chegar o mais perto possível: todo aquele que quiser deixar minha casa mais feliz é bem-vindo. O problema é que, pelo que vejo, ninguém mais está interessado em alegrar a casa de ninguém, a não ser a sua própria. E não me excluo dessa lista.

Com o tempo e a convivência com essa geração – a minha –, fui obrigada a também pensar mais em mim. Se um dia receberes minha doçura e atenção, é porque foi merecido tê-la e pelo meu lado canceriano nunca me deixar desacreditar de poder encontrar alguém que seja merecedor da minha atenção e preocupação excessiva, desse meu romantismo que não morre.

Será que o tempo se encarregará de mudar as ideias de hoje? No fundo, no fundo, espero que sim.

Carla Oliveira

Carla Oliveira Jornalista por formação, apaixonada pelos encantamentos diários por destino. Há 23 anos tenta escapar dos sentimentos, mas sem eles fica sem sentido. O cheiro que mais gosta é aquele teu que gruda na pele dela. Ah: canceriana, intensa, extremista e chata.
Anúncios

1 comentário

  1. nãoseapegue · junho 19, 2015

    Meu Deussss! Que texto maravilhoso! Me identifiquei completamente, me sinto e me pergunto tudo isso, o negócio é deixar acontecer e não esperar nada de ninguém, se não, haverá só decepções, já ouvi gente falando que só quando menos esperamos acontece algo, e já ouvi pessoas falando que não esperam nada desde muito tempo, ou seja, não podemos confiar em nenhuma dessas informações. A vida sabe onde nos levar, e uma hora era irá levar para um melhor caminho, com certeza! Parabéns!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s