A Summer, de 500 Days Of Summer, estava certa

Se você já assistiu a esse filme e ficou morrendo de raiva da Summer por trazer tanto sofrimento ao Tom, está na hora de rever seus conceitos e começar a agradecer muito por tudo que ela fez.

500 dias com ela, filme intitulado nacionalmente, é um longa que exibe o amor como ele é, sem facetas, sem finais felizes e estampa na nossa cara que nem tudo que chamamos de felicidade é o que planejamos.

Sou totalmente a favor de tudo que a Summer foi para o Tom, e, ao contrário de muita gente que acha ela fria e sem coração, eu escrevo aqui meus argumentos de defesa. Espero convencer vocês de que ela, com toda sua experiência, estava certa.

É de se admirar qualquer pessoa que, quando começa a se envolver, escancara todas suas verdades. Falar que não acredita no amor, ou que o amor não é tudo, foi uma das atitudes mais impressionantes que ela teve durante o filme, tirando totalmente as esperanças de que algo poderia dar certo entre o Tom e a Summer. Ela começou falando a verdade e isso é nobre.

Pode parecer que não, mas a ilusão de algo que você quer muito te faz pensar em planos para o futuro sem nem perceber se o presente está certo. Tom foi intenso e aprendeu a ser equilibrado com suas emoções, tudo porque Summer deu a ele bons momentos, que para ela era natural, e para ele excepcional. Tom percebeu que ter o equilíbrio sentimental era necessário para continuar a vida, até mesmo sem ela.

500 Days of Summer wallpaper

Tom soube ganhar, mas foi Summer quem ensinou ele a perder, o que fez dele alguém que enxergue a vida com novos recomeços.

Summer estava certa porque amou Tom no seu tempo e entregou a ele tudo que estava ao seu alcance. Mas os amores passam e as verdades não param no tempo, elas viram memórias. Summer foi fundamental para a compreensão do amor na cabeça de Tom. Ele precisou passar pela dor e pela felicidade plena e, então, quando seu coração estivesse tranquilo, ele iria abrir um novo ciclo.

Dessa vez, mais preparado.

*Meus agradecimentos a Summer, por me dar assas, e, depois, me deixar voar para qualquer céu.

Jamile Ferraz

Jamile Ferraz Jornalista, mas gosta mesmo é de romance barato. Virginiana com vida profissional, mas nunca conseguiu tomar um rumo na vida pessoal. Acredita em destino, mas nem tanto. Apaixonada por livros, cinema e a música é como combustível. Um dia vocês vão ouvir falar de mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s